Soluções
 
Copa Mundo  2014  - São Paulo recebe mais uma vez a Exposec 2010
Feira Internacional de Segurança – em pleno ambiente de Copa do Mundo, quando o Brasil busca ampliar sua infra-estrutura para recebe-la, a Exposec traz inovações tecnológicas na área de segurança e a equipe da SETA Soluções esteve presente.
  CE Estrutura
 
O Brasil sede da Copa de 2014 e Olimpiadas 2016
discute sobre a ampliação de sua infra-estrutura de TI. Dia 25 de agosto/10  aconteceu em BH um Seminário para discutir as necessidades dos setores envolvidos  e em setembro na Minascom – Feira da Construção Civil  serão debatidos novos investimentos na infra-estrutura da capital mineira.
  CE Estrutura
 
Soluções em cabeamento estruturado
Quando um sinal elétrico trafega num condutor, gera ao redor deste um campo elétrico.
  Cabeamento Estruturado
 
Transmissão de sinais analógicos e digitais no cabeamento estruturado
Toda a infra-estrutura (metálica) para cabeamento estruturado (eletrocalha, eletroduto, canaletas e acessórios ) deve ser aterrada em um único ponto ou seja...
  CE Estrutura
 
Veja algumas das novidades para redes de cabeamento estruturado:
Esta categoria supera a categoria 6 recentemente lançada, pois no sistema de cabeamento estruturado Cat 6A a rede permite....
  CE Estrutura

 

Informativo | Transmissão de sinais analógicos e digitais no cabeamento estruturado
 

Transmissão de sinais analógicos e digitais no cabeamento estruturado

Toda a infra-estrutura (metálica) para cabeamento estruturado (eletrocalha, eletroduto, canaletas e acessórios ) deve ser aterrada em um único ponto ou seja, no(s) Armário(s) de Telecomunicações ou Sala de Equipamentos afim de anular as interferências eletromagnéticas e conduzir as descargas atmosféricas para os pontos de aterramento. O aterramento deverá atender aos requisitos da norma TIA/EIA 607 (Commercial Building Grounding and Bonding Requirements for Telecommunications).
Outras recomendações devem ser observadas:

  • Distancias máxima entre o cabeamento e a rede eletrica, atritos e tração sofridos pelo cabo no momento do lançamento, curvas e estiramento a que o cabo esteja sujeito, entrelaçamento do cabo nos pontos de conexão, etc. O cabo utp possui características de fabrica (resistência de 100ohms por exemplo) e estas não devem ser alteradas no momento da instalação. Estas recomendações são observadas para que o sinal transmitido pelo cabeamento estruturado seja confiável e evite causar lentidão na rede.

  • Perturbações que Afetam o Canal de Comunicações

    O canal de comunicações está sujeito a diversos fenômenos que podem levar a algum tipo de degradação do sinal transmitido. Essas distorções são classificadas em dois tipos: distorções sistemáticas e aleatórias. As primeiras são as que ocorrem quando determinadas condições aparecem no canal, já as outras ocorrem sem previsão, devendo ser tratadas por métodos estatísticos.

    1. Distorções Sistemáticas:

    Distorção de Retardo (Delay Distorcion): ocorre porque num canal, normalmente, a fase do sinal não varia de forma linear com a freqüência, permitindo que as diversas componentes de freqüência cheguem em tempos diferentes.
    Assim, no momento em que o pulso transmitido for lido, como todas as componentes não estarão presentes ao mesmo tempo, a forma do pulso estará comprometida, podendo causar um erro de leitura por parte do receptor.
    Outro retardo que também está relacionado com a fase é o de grupo ou de envoltória, que ocorre quando temos um sinal complexo (transmissão passa-faixa); ele é representado pela inclinação (derivada) da função do retardo de fase.
    Estes retardos são compensados por meio de dispositivos chamados de equalizadores de fase, que reproduzem uma curva inversa àquela do retardo, sendo a soma destas duas curvas uma reta, na qual os retardos serão compensados.

    Distorção de Atenuação: ocorre devido à atenuação seletiva das componentes de freqüência do sinal. Numa transmissão, pode ocorrer uma atenuação no sinal. Para neutralizar esse efeito, podemos dispor de duas soluções: utilizar equalizadores de atenuação ou adequar as características de transmissão para utilizar as regiões de menor distorção.

    Distorção Harmônica: ocorre quando o sinal passa por estágios de amplificação, onde o ponto de operação foi mal projetado, ou, ainda, a intensidade de entrada foi excessiva, provocando uma excursão pelas regiões não-lineares da curva de transferência e filtragem.

    Distorção Característica: é o alongamento dos pulsos, causado pelas limitações de largura de banda do canal. Se a banda do canal for próxima ou menor que o sinal, as componentes de alta freqüência serão afetadas. Assim, o pulso sofrerá um espalhamento no tempo, que excederá a duração do símbolo, afetando os símbolos adjacentes. Nesse caso, ocorrerá o que denominamos de Interferência entre Símbolos (ISI-Inter Symbol Interference).

    2. Distorções Aleatórias:

    Ruídos: são perturbações elétricas aleatórias que ocorrem ao longo da transmissão. Dois tipos de ruídos são considerados: ruído térmico e ruído impulsivo. O primeiro é devido ao movimento térmico dos elétrons e está sempre presente nos meios de comunicação, sendo proporcional à temperatura e à banda passante. O segundo representa as perturbações esporádicas que ocorrem num canal de comunicações, São repentinas e podem ter causas diversas, como descargas atmosféricas, explosões solares, ignições de automóveis, linhas de transmissão eletrica, proximidade a motores elétricos, reatores de lâmpada fluorescentes (convencionais), etc.

    Pruído= 4 KTB
    K= Constante de Boltzmann 1,38 x 10-23 J/°K
    T= Temperatura absoluta em graus Kelvin
    B= Banda de passagem do filtro



    Diafonia (Crosstalk): ocorre quando dois ou mais sinais distintos, em meios de transmissão próximos, começam a interferir entre si. Isso pode ocorrer por baixo isolamento, acoplamento dos circuitos, não linearidades dos meios e problemas no projeto de multiplexadores.

    Eco: é a reflexão de parte do sinal transmitido devido às variações de impedância das linhas de transmissões. Para evitá-lo, utilizamos dispositivos chamados de supressores de eco. Porém, quando realizamos transmissões digitais, estes dispositivos devem ser desligados, pois provocam retardos que distorcem os sinais.

    Agitação de Fase (Phase Jitter): consiste na variação instantânea da fase do sinal transmitido, que ocorre nos momentos onde este sinal passa pelo zero, sendo bastante critica nos sistemas que operam com modulação em fase.

    Drop-out: representa a perda, por um curto intervalo de tempo, da portadora de um sinal de microondas, soldas frias, conexões mal apertadas ou condições atmosféricas adversas.

    Informações retiradas apostila Introdução à tecnologia de redes FCP FURUKAWA edição 5

    Site www.furukawa.com.br

     
    Rodape